Lesão dos Nervos Periféricos



Os nervos periféricos conduzem axónios dos corpos celulares do sistema nervoso central para as placas motoras e sensoriais dos órgãos receptores.

Cada axónio é uma extensão de uma célula individual do sistema nervoso central

Lesão dos Nervos Periféricos - Clinica da Mão - Aquavida

Tipos de lesão


Existem 3 tipos de lesão nervosa, classificadas de acordo com a extensão da lesão dos axónios e da membrana do tecido conjuntivo

- Neuropraxia
- Axonotmese
- Neurotmese

Neuropraxia é a contusão nervosa com o bloqueio fisiológico transitório.

A recuperação é espontânea e ocorre em poucas semanas. A continuidade anatómica é mantida
Lesão dos Nervos Periféricos - Clinica da Mão - Aquavida                                   
Axonotemese é a ruptura dos axónios, com manutenção da integridade da bainha
Por vezes pode ocorrer a recuperação espontânea, podendo levar meses.
            Lesão dos Nervos Periféricos - Clinica da Mão - Aquavida          
Neurotmese, é a ruptura parcial ou completa dos axónios e da bainha, a recuperação quando possível , só depois de reparação cirúrgica
Lesão dos Nervos Periféricos - Clinica da Mão - Aquavida
                   
Reacções á lesão

 Após uma lesão nervosa, aparecem alterações no nervo em si e nos tecidos associados.


1- Pele – Alterações tróficas fazem com que se torne seca, brilhante e descamativa
2- Músculo – O desequilíbrio pode acarretar deformidade e consequente contractura articular.


A atrofia pode acarretar fibrose

3- Vasos sanguíneos – As alterações circulatórias acarretam pele fria
 

 

Reparação do nervo

O objectivo de reparação de um nervo é de unir o mais o exactamente possível os tubos do tecido conjuntivo, de modo que os axónios proximais regenerem no sentido distal correcto.
Em feridas recentes e limpas a reparação imediata do nervo está indicada.
 

 

Cicatrização

3 a 4 semanas



Sinais clínicos de uma lesão nervosa


Alterações motoras, sensitivas e vasomotoras podem ser evidentes depois de uma lesão nervosa.

Paralisia, que vai levar á perda de massa muscular, pode ser encontrada na axonotmese, e na neurotmese.

Torna-se evidente entre a 4ª e a 6ª semana, apresentando uma evolução rápida nos dois primeiros meses, e atinge o seu máximo após 3 meses de lesão.

Se a reenervação não ocorrer, os músculos fibrosam.

Alterações sensitivas ao nível da dor, toque, temperatura,esteriognosia, descriminação de 2 pontos, assim como da propriocepção.

As alterações circulatórias ocorrem em duas fases

Numa fase inicial, aquecimento imediatamente após a secção nervosa, em consequência da paralisia vaso constritora.

Após 3 semanas, a pele torna-se fria, em virtude do desuso e da redução da circulação, podem ser observadas atrofias cutâneas e alterações das unhas.

Lesão nervo mediano
Lesão nervo radial
Lesão nervo cubital